Plano de Educação Permanente encerra ciclo de webinários com diálogo sobre saúde mental

Por: Fernanda Marques
20/11/2020

Gabriella Lima

 

O oitavo e último encontro do Plano de Educação Permanente “Reflexões e Experiências da Gestão da Atenção Primária à Saúde no Distrito Federal” foi realizado na tarde desta quinta-feira (11/11). O evento foi marcado pela troca de experiências, desafios e soluções sobre “A quarta onda: efeitos da pandemia na saúde mental”. Com a Covid-19, o aumento dos sintomas psíquicos e dos transtornos mentais acontece por diversas causas, seja devido às medidas de isolamento social, ao medo de contágio pelo vírus, ao estresse pela mudança na rotina, à experiência traumática relacionada à morte de pessoas próximas ou a impactos econômicos causados pela perda de renda e emprego.

 

Para Marcelo Amaral, médico da Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES/DF), a pandemia trouxe impactos na sociedade que são difíceis de mensurar. Além das consequências diretamente relacionadas à infecção pelo vírus, a crise afeta a população de diversas formas. “Com a pandemia, houve um aumento muito grande na demanda por serviços de atenção psicossocial. E, em paralelo, uma desestruturação de muitos serviços existentes, principalmente aqueles relacionados à saúde mental, em um momento em que eles eram profundamente necessários à comunidade”, contou.

 

Diante desse cenário, o médico ressaltou que, para minimizar os transtornos mentais, a SES/DF vem desenvolvendo ações de promoção à saúde e prevenção voltadas para os profissionais que atuam na linha de frente, bem como para a população em geral, com a finalidade de amenizar os efeitos da pandemia da Covid-19 na saúde mental. “Atualmente, por meio da Gerência de Práticas Integrativas em Saúde (GERPIS), desenvolvemos algumas ações on-line no contexto da pandemia, como terapia comunitária integrativa, técnicas de redução de estresse e vídeos educativos sobre outras práticas”, comentou. Amanda Chelski, psicóloga no Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF), trouxe para o diálogo algumas estratégias utilizadas na Região Leste do DF para o enfrentamento da pandemia. “Elaboramos materiais educativos para os profissionais das equipes de Saúde da Família e também para a população. Abordamos assuntos sobre saúde mental, autocuidado, alimentação saudável e atividade física. Esses conteúdos são enviados para grupos de WhatsApp. Para os profissionais, elaboramos alguns conteúdos sobre práticas de relaxamento, meditação e alongamento; e, acima disso, mantivemos a oferta de acolhimento em saúde mental”, destacou.

 

Nesse sentido, mudanças nas abordagens da assistência à saúde mental e apoio psicossocial mostram sinais positivos. A colaboradora Jaqueline Assis, do Núcleo de Saúde Mental, Álcool e Outras Drogas (Nusmad) da Fiocruz Brasília, abordou a experiência dos profissionais da Residência em Saúde Mental. “A pandemia causa uma grande crise social, econômica e sanitária. E isso tudo traz uma grande possibilidade de crises em saúde mental. Dentro dos três Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) em que atuamos, foi organizada uma estratégia chamada CAPS online, uma proposta via WhatsApp, utilizada de maneira síncrona e assíncrona, promovendo práticas integrativas, a partir de convidados que traziam temas enfrentados no dia a dia”, explicou.

 

A psicóloga Débora Noal, da Fiocruz Brasília, também contribuiu com reflexões sobre a medicalização em um evento extremo. “Existem várias evidências que mostram que, quando algum benzodiazepínico ou ansiolítico é utilizado em um primeiro momento de um evento extremo, ele não é eficaz. Isso porque a epidemia segue acontecendo. Ou seja, você pode até dormir hoje, mas amanhã será muito mais difícil de retirar essa medicação. As evidências comprovam que o uso de medicamentos para esse tipo de situação extrema não é eficaz. E, além disso, eles podem ser prejudiciais à saúde”, afirmou.

 

O webinário faz parte do Programa de Qualificação da Atenção Primária à Saúde do Distrito Federal (Qualis-APS), uma parceria entre a SES/DF, a Fiocruz Brasília e a Universidade de Brasília (UnB). Assista a íntegra do evento no canal do YouTube – Qualifica APS.