Fiocruz Brasília lança curso de Especialização em Cultivo Biodinâmico de Plantas Medicinais

Por: Nathállia Gameiro
19/11/2020

Nathállia Gameiro

A Escola de Governo Fiocruz – Brasília e a Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES-DF) lançaram nesta semana o curso de Especialização em Cultivo Biodinâmico de Plantas Medicinais em Agroflorestas na Promoção de Territórios Saudáveis e Sustentáveis no DF.

A capacitação surgiu de uma aproximação com a Gerência de Práticas Integrativas da Secretaria (GERPIS/SESDF), na comemoração dos 30 anos de PIS no DF. O coordenador do curso e pesquisador da Fiocruz Brasília, André Fenner, explica que a agricultura desenvolvida no Brasil afeta a saúde das populações, pela quantidade de adubos químicos, venenos, sementes transgênicas, antibióticos ou hormônios utilizados, e por ser um modelo que aumenta as iniquidades sociais, com concentração de renda, aumento da miséria, fome e destruição dos ecossistemas.

Fenner afirma que o objetivo do curso é capacitar os profissionais nos fundamentos da agricultura biodinâmica na produção de plantas medicinais em agrofloresta – modelo que utiliza substâncias minerais e vegetais, ajudando a manter o solo equilibrado, sem causar impactos ou prejuízos. Todo o processo será pautado no diálogo com as comunidades e na articulação entre saber científico e popular, como um meio de transformar a realidade local, reconhecer os territórios e modificar a relação com os usos da terra, fortalecendo o movimento agroecológico e a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares.

 

“A produção agroflorestal biodinâmica de plantas medicinais busca, por um lado, trazer melhorias efetivas nas comunidades e, por outro, responder às necessidades e demandas da sociedade, especialmente dos grupos mais vulnerabilizados ambiental, econômica e socialmente. Fortalece também espaços saudáveis e sustentáveis, que buscam minimizar as desigualdades sociais, a má distribuição de renda e a falta de acesso a políticas públicas e de um ambiente promotor da saúde”, destaca o pesquisador.

 

Os interessados podem se inscrever no curso entre os dias 1º e 4 de dezembro. Ao todo são 40 vagas para trabalhadores da saúde, pequenos agricultores e representantes da sociedade civil, sendo quatro vagas destinadas a pessoas com deficiência, negros – pretos e pardos e indígenas.

O candidato deve preencher e assinar o formulário eletrônico disponível na Plataforma SIGALS e enviar para a Secretaria Acadêmica da EGF com os documentos digitalizados exigidos. Seguindo orientações do Plano de Contingenciamento da Fiocruz, não serão aceitas inscrições realizadas presencialmente ou via postagem.

Confira todas as informações no edital.

Com início previsto para o dia 3 de fevereiro, a capacitação terá encontros presenciais e atividades práticas e de campo. Organizada em dois módulos, foi construída com base nos princípios e diretrizes do SUS, com temas que integram a promoção da saúde, ambiente e trabalho, determinantes sociais da saúde, agroecologia, agrofloresta, produção biodinâmica e antroposófica, e plantas medicinais.