Fake News e Saúde pautam discussões de Seminário promovido pela Fiocruz Brasília

Por: Nathállia Gameiro
20/03/2019

Nayane Taniguchi

Esta é a segunda edição internacional e sexta edição nacional do Seminário As Relações da Saúde Pública com a Imprensa: Fake News e Saúde, promovido pela instituição

 

 

Presente nas rodas de conversas, em discussões de trabalho, nos tablets, celulares, computadores e grupos virtuais. Não só as milhares de fake news, mas o próprio termo, tem viralizado na era digital da atualidade. E de que forma essas informações falsas interferem na saúde e comportamento das pessoas?

 

Estimular a reflexão sobre como a sociedade tem se relacionado e atuado na veiculação dessas desinformações é a proposta do II Seminário Internacional e VI Seminário Nacional As Relações da Saúde Pública com a Imprensa: Fake News, realizado pela Fiocruz Brasília entre os dias 18 e 21 de março, na capital federal. A abertura oficial do evento foi realizada na manhã desta terça-feira (19/3).

 

Para o coordenador do evento, Wagner Vasconcelos, falar de falsas notícias não se trata, necessariamente, de abordar algo novo. “Entretanto, o desafio que se coloca agora é lidar com o fenômeno da multiplicação acelerada desse tipo de informação e a dimensão alcançada. Isto é o que mais nos inquieta, atualmente, do ponto de vista de comunicação”. De acordo com Vasconcelos, as fake news sustentam-se na comunicação, o que ressalta a importância do Seminário. “Este é um evento sobre comunicação, e particularmente em comunicação em saúde. Esse fenômeno ressalta a comunicação como estratégica para diversos setores. No campo da saúde, ela ainda é mais estratégica. É necessário que tenhamos isso muito presente em nossas práticas”.

 

O medo e a crença no outro são aspectos ressaltados pela coordenadora de Comunicação Social da Fiocruz (CCS), Elisa Andries, como motivadores da disseminação de informações falsas. “Percebemos que, desde 2015, as fake news em saúde estão muito associadas ao medo. As pessoas clicam e disseminam os assuntos por conta do medo que sentem em relação às doenças. A emoção das pessoas, o tempo e a confiança em quem repassa as informações tem um peso muito grande”. Para Andries, que representou a presidente da Fiocruz, Nísia Trindade, na abertura oficial do Seminário, as notícias circulam mais rapidamente porque são enviadas por pessoas conhecidas. “Este é um desafio muito grande para nós que trabalhamos na comunicação e uma preocupação imensa com a população que recebe notícias falsas e acaba disseminando também para outros grupos informações sobre vacinas e doenças infectocontagiosas como o sarampo. Temos vivido diariamente o grande desafio de estar trabalhando com a verdade”.

 

Para a diretora da Fiocruz Brasília, Fabiana Damásio, um dos pontos principais ao se discutir as fake news é observar o quanto uma informação pode interferir na sustentabilidade de uma política pública. “Quando pensamos em um debate sobre fake news e reunimos profissionais com diversas formações é exatamente para refletirmos sobre o que está acontecendo hoje no Brasil em termos de proliferação de informações, de divulgações instantâneas por meio de diversos dispositivos e nas redes sociais, e que também possamos pensar nesse impacto para as políticas públicas”.

 

Como expectativas, Damásio ressalta a importância de propor estratégias concretas de ações coletivas para lidar com esse fenômeno. “Saúde pública diz respeito à vida das pessoas e precisamos abordar esta questão de forma ética, crítica e, principalmente, de forma vigilante e transparente”. Para a diretora, promover o Seminário com o tema proposto evidencia também o compromisso que a Fiocruz vem assumindo na sociedade com a cidadania.

 

Conferência de abertura
As Fake News são sintomas de quê? O que há por trás das informações falsas? Como qualificar uma informação e produzi-la? Estas foram algumas das questões destacadas pelo diretor do Comsanté da Universidade de Québec em Montreal (Canadá), Alexandre Coutant, durante a Conferência que marcou a abertura oficial do II Seminário Internacional e VI Seminário Nacional As relações da Saúde Pública com a Imprensa: Fake News e Saúde, promovido pela Fiocruz Brasília. A programação segue até a próxima quinta-feira (21/3).

 

Durante a conferência, o pesquisador e professor da universidade canadense apontou os conceitos e tipos de informações falsas, entre eles sátira, paródia, manipulação, a informação fabricada, a publicidade e a propaganda, além das motivações que levam a produção dessas fake news. Coutant ressaltou a complexidade desse fenômeno, e a importância de se observar o que há por trás da disseminação dessas informações. Para o pesquisador, em termos de análise de como as pessoas interpretam as fake news, a eficácia das informações falsas repousam na sua capacidade de viralidade.

 

No primeiro dia do evento, Coutant, também pesquisador e professor do Departamento de Comunicação Social e Pública da UQAM, ministrou o minicurso Informar-se em um mundo de falsas informações: produzir e interpretar conteúdos no novo ecossistema informacional. Realizado pela primeira vez no Brasil, a atividade teve como objetivo estimular as reflexões e discussões sobre o tema das fake news e saúde.

 

Edição traz novidades
Exposição de cartuns internacionais, mostra científica e minicurso internacional. Além das mesas redondas, que propõem reflexões e debates sobre o tema, os participantes também podem visitar a exposição Fake News e Saúde, localizada na parte externa do Auditório da Fiocruz Brasília. A mostra é composta por 30 diferentes obras produzidas por cartunistas de diferentes países, selecionadas a partir de 70 trabalhos de 15 países diferentes – Brasil, China, Austrália, Cuba, Estônia, Irã, Estados Unidos, França, Grécia, Itália, Polônia, República Tcheca, Sérvia, Turquia e Ucrânia. Ao longo do evento, os participantes poderão selecionar um dos cartuns, e o mais votado ilustrará a capa do e-book sobre o evento, a ser produzido ao longo de 2019. Os demais também ilustrarão a publicação (saiba mais aqui).

 

Na quinta-feira (21/3), será realizada uma seção científica com apresentação de trabalhos científicos sobre o tema central do Seminário, na Escola Fiocruz de Governo (EFG). Ao todo, 15 estudos serão apresentados, dos 27 trabalhos inscritos.

 

A edição de 2019 reúne, entre profissionais de saúde, comunicação e acadêmicos, participantes de várias instituições, como faculdades de Comunicação e de Saúde do Distrito Federal, e é financiada pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – CAPES. Entre as novidades implementadas ao longo das edições, no início de 2019 houve a publicação do primeiro e-book do Seminário RSPI, que reúne conteúdo do evento anterior, realizado em 2017 (acesse aqui).

 

Há 11 anos, a Fiocruz Brasília promove os seminários As Relações da Saúde Pública com a Imprensa. Idealizado pela Assessoria de Comunicação (Ascom) da instituição, o evento já abordou vários temas de interesse direto da sociedade, com o propósito de motivar aproximações entre o setor público, a academia, a mídia e a sociedade. “Esse seminário, realizado desde 2008, busca aproximações entre mundos que do nosso ponto de vista são essenciais para qualidade de vida e para o bem da sociedade brasileira”, afirma Vasconcelos, coordenador do evento.