Ciclo de Encontros debate articulação entre segurança alimentar e enfrentamento à Covid-19

Por: Fiocruz Brasília
16/10/2020

Com informações de Adilson Nóbrega (Embrapa)

 

Com debate sobre impactos da pandemia de Covid-19 na segurança alimentar e na produção de agricultores, Embrapa e Fiocruz realizaram, no dia 15 de outubro, o primeiro evento do Ciclo de Encontros “Inovação Social em Territórios Saudáveis e Sustentáveis no Contexto Pandêmico e Pós Pandêmico”. O Ciclo, em formato de interação virtual, reúne diversos participantes, entre técnicos extensionistas, agentes comunitários de saúde, agricultores e organizações da sociedade civil dos diferentes territórios do Programa de Apoio à Inovação Social e ao Desenvolvimento Territorial Sustentável – InovaSocial (Embrapa/BNDES), com o objetivo de construir estratégias de enfrentamento à Covid-19, abordando questões de segurança alimentar e nutricional nos territórios.

 

O Ciclo de Encontros busca capacitar técnicos extensionistas do Programa para exercerem suas atividades de forma segura em campo, durante e após a pandemia de Covid-19, e fortalecer as relações entre agentes de saúde, agricultores e organizações nos territórios de atuação do InovaSocial. Também estão em pauta os desafios para as políticas públicas de aquisição e distribuição de alimentos da agricultura familiar, neste atual contexto e no futuro. “Como se trata de um programa de desenvolvimento social precisamos também pensar em um contexto após a pandemia, com fatores como fragilidades na economia, alta de desemprego e fome, que também podem influenciar nossa atuação”, explica a pesquisadora Cristhiane Amâncio, da Embrapa Agrobiologia (Seropédica-RJ), líder do projeto de Governança e Gestão do InovaSocial.

 

No primeiro dia do Ciclo, agricultores dos diferentes territórios trouxeram reflexões sobre os efeitos da pandemia na produção agropecuária, na alimentação e no cotidiano. “Foi um ano que começou bom para nós na Caatinga, choveu bem. Mas a pandemia trouxe atraso na produção e, com o aumento dos insumos, diminuiu a produção e o escoamento, ficamos restritos para a comercialização”, afirmou Renato Brito, de São João do Cariri (PB).

 

Para a agricultora Rosieli Ludtke, de Paraíso do Sul (RS), a pandemia acelerou alguns processos, como a articulação com grupos de consumidores que passaram a procurar alimentos com certificação e produção agroecológica. A situação sanitária, porém, trouxe restrições para algumas famílias que, com integrantes de grupos de risco para a Covid-19, não podem participar mais de feiras e passaram somente a enviar seus produtos por meio de outras pessoas na comunidade. “A pandemia também resultou em muito mais trabalho, existem gargalos na mão de obra para a produção agroecológica, com poucas pessoas nas casas”, frisou ela.

 

Promoção da Saúde

O encontro do dia 15 de outubro teve a participação do sanitarista e pesquisador Jorge Machado, coordenador do Programa de Promoção da Saúde, Ambiente e Trabalho (PSAT) da Fiocruz Brasília, que apresentou reflexões sobre a promoção da saúde em tempos de pandemia. “Neste período, quando se discute quais atividades são essenciais, saúde e alimentação são identificadas como as duas principais. São necessidades humanas e a alimentação é central, do ponto de vista da produção e do consumo”, destacou ele.

 

De acordo com Jorge, é importante pensar em alternativas como encurtar ciclos de produção e consumo, aliando a segurança alimentar à vigilância em saúde. Ele defendeu que, no espaço rural dos territórios, a vigilância deve ser exercida com base popular, envolvendo diversos atores na sua promoção e execução. “Ela deve mobilizar vários tipos de atores sociais, de forma intersetorial, com ações com foco na educação e no desenvolvimento regional”, afirmou. Segundo ele, essa iniciativa de aproximação entre extensionistas, agentes de saúde e agricultores é importante, pois permite a formulação de iniciativas territorializadas, a partir das demandas e dos saberes destes públicos.

 

O Ciclo de Encontros continuará nos dias 22 e 29 de outubro e 5 de novembro, sempre com a interação em formato virtual. A abertura do Ciclo contou com a presença da vice-diretora da Fiocruz Brasília e coordenadora do Programa de Alimentação, Nutrição e Cultura (PALIN) da unidade, Denise Oliveira e Silva. Denise também participará do próximo Encontro, no dia 22 de outubro, às 15h30, apresentando a palestra “Segurança e Soberania Alimentar e Nutricional: cultura alimentar, nutrição e territórios”.

 

Leia a matéria completa no site da Embrapa